Blog Populares

POP GUIA: Lojas Amiguinho

Quando nem pensava em vender bicicletas, Francisco Queiroz Nobre, 69, ficou intrigado com um fenômeno que acontecia perto da sua lojinha de artigos de presente: seu Hamilton, bem conhecido no bairro, queria alugar um ponto seu para consertar bicicletas. O comerciante reproduz o diálogo: “Hamilton, você consegue pagar o aluguel só consertando bicicletas? Ele disse: eu consigo, sim. Quem é seu principal cliente? Ele disse: é o jornal O POVO. Naquela época entregavam o jornal em bicicletas, o Hamilton ficou consertando as bicicletas do jornal e de clientes de rua”.

Queiroz percebeu que em apenas dois meses a demanda crescia, Hamilton nem dava conta de tanto trabalho. Então, ele teve a ideia de vender peças, após um diálogo com o colega. “Eu disse: Hamilton, você conserta bicicleta, por que você não vende a peça para bicicleta? Ele disse: não, eu quero só fazer meu serviço. Era isso que eu queria escutar dele. Aí no dia seguinte, soltei: já que você não vai vender peça, eu vou, quais são as peças que mais vendem?”, conta.

O comerciante natural de Pacoti, criado em Redenção, comprou todas as 20 peças listadas pelo inquilino, além de uma estante, onde expôs o material. Em meados de 1986, ano da criação das lojas Amiguinho, ele já não tinha os materiais que remetem ao nome da marca. “Vendia aquelas bonecas da estrela, Amiguinha, comecei a tratar as pessoas por amiguinho. Mas a coisa da bicicleta foi crescendo e os presentes encolhendo, quando eu olhei não tinha mais nada para presente, não tinha brinquedo, a bicicleta tomou espaço”, explica.

Do sucesso das bicicletas, o Amiguinho Queiroz incorporou há cerca de dez anos o segmento de duas rodas ao comércio: as motocicletas. “Nosso fornecedores começaram a procurar peças para motos, hoje nós temos os dois segmentos, mas a moto é só atacado”, informa. Por um tempo, a loja vendeu bicicletas no atacado, mas o comerciante sentiu falta do consumidor final e voltou a comercializar os produtos para os clientes da ponta.

Antigamente, Queiroz fazia sempre exercícios de bicicleta, “pedalava bastante”. Essa relação com a “magrela”, construída ao longo dos anos, ultrapassou o âmbito profissional em sua vida. “Eu tenho muito respeito pela bicicleta e tenho respeito pelo ciclista, às vezes eu me irrito: estou em um congestionamento e passam aquelas motos nas ciclofaixas. Aquilo me incomoda um pouco, não gosto de jeito nenhum. Sinceramente, o que eu sou devo muito à bicicleta”, diz.

PREÇOS

Bicicleta: R$ 330 até R$ 7 mil

Pneu de bicicleta: R$ 20 a R$ 260

Câmara de ar para bicicleta: R$ 10 a R$ 30

Capacete para ciclista: R$ 70 a R$ 300

Instagram: @grupoamiguinho

Lojas Amiguinho

R. Pinho Pessoa, 81 – Joaquim Távora

Abre de segunda a sexta, das 8 horas às 17h e no sábado, das 8 horas às 12h

Televendas: (85) 3255.4848

WhatsApp: (85) 99812.0091