Como saber que o carro tem a quilometragem adulterada? Veja dicas para se livrar dessa situação

shutterstock_369995453
A vontade de comprar um seminovo vem acompanhada de alguns receios. Um deles é a quilometragem adulterada, uma prática bem comum em vendedores que agem de má fé para conseguir vender o carro. Por isso, você precisa prestar atenção em alguns pontos para não cair nesse tipo de situação.

1) Olhe o manual do carro
Adquirir um automóvel sem verificar o manual não é recomendável, destaca Aydef Carneiro, proprietário da concessionária Gold Car: “Existem maneiras técnicas formais. Uma maneira é ver na concessionária o histórico, que registra as últimas revisões e quilometragem em que o veículo estava. Se o número não bater com o que há no hodômetro, é porque houve a mudança.”

2) Atenção com desgaste do veículo
Outra maneira de notar que a quilometragem não está sendo honesta é olhar se algumas partes do carro estão visualmente favoráveis. “Utilizar a percepção visual é importante, as funções do veículo podem entregar o uso do carro. Como o pedal de freio, se ele estiver muito gasto, é porque, obviamente foi muito usado. O volante também denuncia o uso, se está liso é um sinal de desgaste com o tempo”, conta o executivo da Gold Car.

3) Olhe a troca dos pneus
“Todo pneu tem o DOT, que registra a data de fabricação do pneu. Dependendo da forma que for vendido o carro, como se as peças fossem todas profissionais, você pode notar se foi adulterada ou não, pelo tempo”, conta Aydef Carneiro.

4) Verifique a procedência da concessionária
Outro detalhe a ser observado é o lugar onde você está comprando o seu veículo. “É muito importante você ter confiança na revendedora. Então, procure saber sobre a reputação da loja, quanto tempo ela está no mercado e conferir o CNPJ”.

5) Caí no golpe. O que fazer?
Se você caiu no conto do vigário, vá para a delegacia, onde a perícia vai analisar o veículo. Esse tipo de prática é enquadrada como estelionato no artigo 66 da Lei n° 8078/1990, que rege os direitos do consumidor. Depois que comprovado, o que se deve fazer é entrar em ação na Justiça para reparar os danos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − dezessete =